Branca de Neve

 

Num dia muito frio, uma bela rainha estava sentada na janela, bordando um lençol de nenê. Sem querer, ela espetou o dedo numa agulha e caíram três gotas de sangue. A rainha olhou para fora e disse:

-- Quero ter uma filha de pele branca como a neve que está caindo, cabelos pretos como a madeira desta janela e boca vermelha como o sangue que saiu do meu dedo.

    Alguns meses depois, a rainha deu à luz uma menina do jeito que pedira. As irmãs da rainha deram muitas sugestões como:

-- Floripa!

-- Não! Gastã!

-- Gertrudes!

-- Dorcas!

    Apesar das sugestões, a rainha decidiu que a menina se chamaria Branca de Neve. A boa majestade cuidou da garota dia e noite, porém carpindo o jardim, por falta de verbas para pagar o jardineiro, a rainha caiu do trator e faleceu. O rei ficou chocado por vários meses, só não morreu porque o rei vizinho devia dinheiro à ele de um jogo do bicho. Naquele tempo não se sabia que esse tipo de jogo era de azar. A filha da bruxa da Bela Adormecida aproveitou a morte da rainha para se casar com o rei, já que era bonita. Todos os dias a madrasta de Branca de Neve, a nova rainha, perguntava à um espelho mágico:

-- Espelho, espelho meu! Existe  no mundo mulher mais bela do que eu?

-- Elizabeth Taylor vale?

-- Não seu idiota!

-- Então é a senhora!

   

Enquanto isso, Branca de Neve crescia e ficava cada vez mais bonita. Tão bonita que um dia a megera madrasta perguntou:

-- Espelho, espelho meu! Existe no mundo mulher mais bela do que eu?

-- Sim! Branca de Neve é a mais bela de todas as mulheres que tem no mundo!

-- Não fazem mais espelhos como antigamente. Será que é mais fácil perguntar para uma parede comum?

-- Xinga mas não humilha!

-- Quer saber?! Caçador!

-- Sim majestade!

-- Quero que leve minha enteada para o lugar mais escuro da floresta. Lá você deve matá-la e trazer o coração dela nesta caixa para eu saber que não me enganou. Hoje em dia é tudo trote.

     O caçador levou a menina para o centro da floresta e quando foi fatiá-la em pedacinhos, como leitão, a garota falou:

--  Não me mate! Ainda faltam muitas linhas para o fim da história e ainda por cima eu nem trouxe minha roupa de enterro!

-- A rainha quer você morta! Se eu não levar seu coração nesta caixa eu perco o dinheiro e tenho doze filhos para alimentar!

-- Pensasse antes de ter tantos filhos! Leve um coração de borracha! Tá baratinho na 25 de Contos.

-- Boa ideia! Vou te deixar em paz.

    Quando o caçador chegou com o coração de borracha e mostrou a rainha, recebeu a seguinte resposta:

-- Seu ladrão! Achou que eu não ia perceber que é de borracha! Está despedido e sem ganhar indenização!

-- Olha que eu entro na justiça!

-- Eu e o rei somos a justiça! Esqueceu?

-- Desculpe madame!

    Branca de Neve se acabava em lágrimas na escuridão da floresta. Vários animais começaram chegar e à guiaram pela floresta até chegar numa casinha:

-- Que casa mais pequena! É menor que a do Rumpelstiltskin!

        Branca entrou na casa e viu uma mesa baixa com sete lugares. Em um dos lugares tinha sopa, a garota bebeu. Tinha pão com manteiga, comeu. Suco de laranja, tomou e assim ia. Ela subiu as escadas e chegou em um quarto com sete camas bem pequenas. Como estava muito cansada juntou as sete caminhas para dar sua altura e caiu num sono pesado. Uma hora depois, sete anõezinhos chegaram na casa cantando:

-- Eu vou! Eu vou! Pra casa agora eu vou! Pararatimbum! Pararatimbum! Eu vou! eu vou!

    Eles entraram na casa e perceberam:

-- Beberam minha sopa!

-- Comeram meu pão com manteiga!

-- Beberam meu suco de maçã!

    Cada um percebeu uma coisa. Decidiram ir para o quarto e quando chegaram, uma linda moça dormia em suas camas. Acordaram ela:

-- Acorde menina, acorde!

-- Ahn? Que? Já vai mamãe!

-- Não é sua mãe! Somos nós!

-- Ah! Desculpe por comer suas comidas e dormir em suas camas.

-- Tudo bem! -- Disse um dos anões.

-- Meu nome é Branca de Neve! Qual o de vocês?

-- Meu nome é Mestre. -- Disse o mais sábio -- Esse aqui é o Atchim. Esse é o Dunga. Dengoso, Feliz, Soneca e este é o Zangado.

-- O que faz aqui Branca de Neve? -- Perguntou Atchim.

    A moça contou toda história comovendo os anõezinhos e pediu:

-- Deixe-me ficar aqui com vocês! Eu posso passar, cozinhar, arrumar as camas, tudo que precisa para um lar.

    Pensaram um pouco e decidiram:

-- Eu concordo -- disse Mestre.

-- Eu também! ATCHIM!

-- Eu também! ZZZZZZ...-- disse soneca.

-- Eu também!

-- EHHHHH! Eu concordo!

-- Bom assim não tá, mas pode ser. -- disse zangado.

    Dunga fez um positivo. Enquanto isso no castelo, a madrasta possessa com a menina, começou a preparar a seguinte poção:

    No dia seguinte os anões foram trabalhar e Zangado aconselhou:

-- Não abra a porta para ninguém desconhecido! Podem fazer algum mal a você.

-- Está bem,amigo!

    Branca de Neve começou a fazer seus afazeres domésticos. Principalmente lavar a roupa de soneca que tinha caído numa poça de lama. Nesse meio tempo chegou uma velha, a bruxa-madrasta disfarçada, com uma cesta cheia de frutas em frente a casa anunciando alto:

-- Banana, maçã, abacaxi só por R$ 1,00 freguesia!

   A velha falou a menina:

-- A menina não gostaria de uma maçã bem vermelha?

-- Eu não tenho cartão Árvore-Rápida! Só os meus amiguinhos anões tem!

-- Não se preocupe. Dê uma mordida. É por conta da casa!

A garota deu uma grande mordida e caiu estatelada no chão. A madrasta-bruxa deu uma gargalhada tremenda e voltou ao palácio. Os anões chegaram duas horas depois, começaram a chorar rios de lágrimas. Fizeram então uma cúpula de vidro colocando-a em cima da moça.

No enterro foram convidadas a Bela Adormecida, a Rapunzel, a Cinderela e vários outros personagens dos contos de fada, principalmente o príncipe Castelo Rei Torre Coroa Júnior filho do rei Castelo Rei Torre Coroa. O príncipe viu Branca de Neve e apaixonou-se por ela, mesmo vendo ela morta. Decidiu dar-lhe um beijo, porém a garota não acordou:

-- Impossível! Em todos os contos de fada a princesa acorda depois do beijo do amor verdadeiro! Será que eu não sou o amor da vida dela?!

    Branca de Neve abriu um olho e disse:

-- Querido, eu já sou casada com você. É que falta ainda um minuto para eu acordar e levantar. -- Fechou o olho.

-- Ah! Desculpe!

    Depois de um minuto Branca de Neve acordou e casou com o príncipe. A bruxa perguntou ao espelho a mesma pergunta e o espelho disse:

-- Branca de Neve é a mais linda de todas as mulheres.

    A mulher pegou um martelo e foi bater no espelho quando ele a comeu.

-- Aghr! Tinha gosto de ameixa fora da validade!

O relógio de ponto bateu, Branca de Neve e o príncipe marcaram o ponto, voltaram para o castelo e o casal encontrou os filhos, já que haviam se casado há muito tempo, antes mesmo de começarem a gravar esta história.

 

Autor: André Pereira Falcão

Fim